Páginas

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

domingo, 15 de dezembro de 2013

Nu com a mão no bolso (que geralmente não tem muito dinheiro)

Depois de recusar o terceiro trabalho que eu teria de ficar pelada, conclui: não sou mais criança, agora sou uma mulher que tem peitos e vagina que contam histórias maduras e profundas... Apesar de poder contar nos dedos a quantidade de nus frontais masculinos que eu já vi no áudio visual.. Vai ver pênis não sabe contar história...
Não sou contra o nu. Mas acho que ele tem que servir a história, tem que ser parte dela , como no exemplo mais recente que assisti, "tatuagem" de Hilton Lacerda ( que por sinal, há nu se todas as espécies e gêneros) o nu esta no filme assim como o filme esta no nu é elemento essencial, é uma personagem, é uma questão.
Agora, vai me colocar pelada no seu filme pra dar mais realismo, vai fazer um plano detalhe da minha contadora de história e colocar o ator de costas, vai fazer um plano com meus peitos saltando no colo do espectador enquanto no plano aberto meu corpo exposto cobre o órgão não contador de histórias do cidadão... Não, muito obrigada, sou pudica, sou careta, sou retrógrada e coxinha, sou o que você quiser me chamar. Mas não conto histórias pelada se poderia contá-las de roupa ou de uma maneira menos explícita.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Aqui, não!

Meu post de hoje começa em São Paulo. externa,.rua. dia:
 "Noooossaaaa" "psiu, psiu" "gostosa" e derivados.... (Estou falando aqui da famosa "cantada de pedreiro" embora eu tenha certeza de que esses "lindos dizeres" 99% das vezes nao venham de pedreiros... E sim de homens, em geral.)
Estava calor, tinha um copo de suco de frutas vermelhas na minha mão, um homem me chamou de gostosa, eu parei e... Calma, já conto essa historia, primeiro quero fazer uma breve introdução..
Quem me conhece sabe que eu tenho pouca tolerância a esse tipo de "poesia" e tambem que sou dotada de um gênio digamos...especial.  Assim aos 15 nos descobri uma tecnica infalivel, juro, nunca falhou... Quando escuto alguma dessas cantadas eu faço questão de parar, identificar o sujeito, ir até ele, olhar profundamente em seus olhos como os meus olhos impiedosos e perguntar "falou comigo?" "oi?" "o que que voce disse?"...Mulheres do meu BRASIl, eu vos digo, esse é meu relato: 100% das vezes, toda testosterona, toda coragem, toda "machesa", todo desrespeito, se esvai em segundos, eles não tem coragem de olhar nos meus olhos, eles se envergonham de tal modo que quase saem correndo, eles pedem desculpa... porque  até os mais machistas sabem que aquilo é inaceitável, que aquilo nao é elogio, que aquilo é violência, opressao... Quando você mulher diz "chega"... Eles param... 
Talvez eu tenha dado sorte, talvez eu não tenha encontrado um louco, talvez algum dia possa ser agredida.. Talvez... Mas também já me sinto agredida..
Volto ao início do post... Hoje estava calor...estava com um copo de suco na mão, ouvi 3 cantadas, todas de covardes que estavam em carros ou motos, e por isso a minha técnica nao funciona pq eles tem pra onde correr mais rápido que eu quando o sinal abre... Me sinto impotente...
Na quarta cantada, dei "sorte" o carro ainda estava parado, olhei nos olhos do meu agressor, tirei a tampa do meu copo de suco, o rosto dele ficou pálido, ele entendeu o que ia acontecer, o sinal abriu, ele se foi, meu ódio ficou. Depois disso, estava disposta a jogar toda minha raiva de suco de frutas vermelhas na cara do próximo idiota que se atrevesse a falar alguma coisa pra mim, queria que ele se sentisse impotente, desrespeitado, queria ferir a honra dele, queria que ele falasse pra um amigo "cantei uma mulher na rua e a louca me jogou suco na cara" "você não fez nada?" Perguntaria o amigo e ele diria "não consegui".... 
Minhas queridas, segue aqui mais um relato: eu estava pronta, olhava sedenta por vingança dentro de todos os veiculos que passaram por mim...eu tinha certeza que eu chegaria em casa com o copo vaziu e alma lavada, mas pra minha surpresa, todos os homem desviaram o olhar de mim... Era só meus olhos enfurecidos cruzarem por um segundo os deles... E ele entendiam o recado "aqui, não!" Vi palavras serem engolidas a seco..Andei 2k sem ouvir nada... Cheguei em casa, Despejei o suco na pia, mas a alma estava lavada... Não precisei tirar a honra de ninguem pra dizer: Aqui senhores "donos da rua", há consequência, aqui não tem medo de reação, de palavras,  ou até de força bruta, aqui, não!